Startup americana oferece apoio médico por tempo integral

1
130

Imagine se a clínica do seu médico fosse uma mistura de uma Apple Store com uma academia sofisticada: uma estética moderna em tons de madeira e branco, repleta de dispositivos e monitores com tela sensível ao toque. Agora pense que você pagou uma taxa mensal para visitar este local todas as vezes que desejar.

Esse foi o ambiente que encontrei na semana passada ao entrar na nova clínica médica pertencente à startup Forward, uma empresa da região de São Francisco (Estados Unidos) que desenvolve produtos e ideias inovadoras voltadas para a área da Saúde.

A empresa conta com uma grande variedade de serviços, incluindo a coleta de dados de saúde de seus usuários através de acessórios desenvolvidos para este fim (como dispositivos e apps para smartphone). Os dados reunidos são utilizados para ajudar o cliente, por exemplo, a controlar a sua taxa de colesterol. O local dispõe de uma farmácia e a primeira rodada de medicamentos prescritos por médicos da Forward é fornecida gratuitamente, assim como os exames que precisam ser feitos e os dispositivos que o médico aconselha que o paciente utilize no seu dia a dia.

O fundador e CEO da Forward, Adrian Aoun, diz que o objetivo da startup é que os pacientes mudem o jeito de encarar a ida ao médico. Atualmente, a maioria das pessoas marca uma consulta apenas quando estão doentes ou apresentam algum sintoma inusitado. “Mesmo considerando que você consiga ir ao médico uma ou duas vezes ao ano, o seu corpo não parou de se importar com a própria saúde, durante o intervalo entre essas consultas”, diz Aoun. A Forward propõe, portanto, uma medicina inovadora, estilo Silicon Valley, por U$149,00 mensais.

Não surpreendentemente, a empresa ampara os serviços que presta em soluções tecnológicas. O médico pode pedir para o cliente utilizar um dispositivo sem fio que mede a pressão arterial e apita para lembrar a necessidade de registro dos valores diários. Através de um app, o cliente pode enviar os resultados para o médico. Com apoio de um rastreador de atividades, o cliente também pode coletar dados e encaminhá-los, contribuindo com o médico para o tratamento. A monitoração diária do cliente, fornece alerta caso seja detectada alguma mudança inesperada no organismo.

E qual foi a sensação que tive ao experimentar todas essas inovações? Foi um pouco assustador, no início. A sala de espera combinava uma atmosfera aconchegante e tranquilizadora, com luzes e música ao fundo, com um ambiente composto por várias cadeiras, detalhes em madeira, além de garrafas de água estrategicamente posicionadas. No centro da sala, uma caixa de vidro, cheia de acessórios vestíveis.

Havia também uma luz branca gigantesca. Trata-se de um scanner corporal, segundo Aoun. Entrei na plataforma e coloquei os dedos em sensores posicionados na lateral, para computar parâmetros como altura, peso, temperatura, pulso cardíaco e níveis de oxigênio no sangue. Esses dados são enviados para o software da Forward, para que o médico possa acessá-los, e para o aplicativo do smartphone.

Na sala de exame, a médica Yaqub (que anteriormente havia trabalhado com a empresa Facebook) mostrou-me como ocorre o atendimento, utilizando como exemplo um paciente fictício. Assim, através de um monitor com tela sensível ao toque, acessava ícones diversos (Dieta e Exercício ou Medicamentos), visualizando o que o paciente estava fazendo referente ao tratamento. Em seguida, posicionou um estetoscópio sem fio no meu peito e o meu ritmo cardíaco apareceu imediatamente em uma tela frontal.

Aoun afirmou que centenas de pessoas já estão utilizando a Forward. A maioria são pessoas que tem condições de pagar por um tratamento preventivo, embora alguns pacientes estejam recebendo atendimento gratuito por parte da empresa. Para muitos moradores de São Francisco sem condições financeiras adequadas, ainda é muito difícil ter acesso a toda essa estrutura que a Forward oferece, já que além de pagar pelos serviços da empresa, o cliente teria que manter um plano de saúde regular, para outros tratamentos não ofertados, como procedimentos cirúrgicos, por exemplo.

Essas podem ser exatamente as pessoas que mais precisariam de um tipo de serviço como o que a Forward oferece, diz o professor assistente de medicina e serviços de saúde da Universidade da Pennsylvania, Mitesh Patel. Em suas palavras: “para impactar de fato a saúde, precisamos descobrir como engajar as pessoas que são, justamente, as mais difíceis de serem engajadas”.

[a partir de tradução de post do MIT Technology Review in https://www.technologyreview.com/s/603374/for-149-a-month-the-doctor-will-see-you-as-often-as-you-want/?utm_campaign=internal&utm_medium=homepage&utm_source=top-stories_1&set=603375]

- Publicidade -
Innovation Hunter
COMPARTILHAR
Lucas R. De Pierro
Colaborador do site TIC em Foco. Graduado em fisioterapia pela Universidade de São Paulo, e atualmente cursa Pós-Graduação em Bioquímica, Fisiologia, Treinamento e Nutrição Desportiva pela Unicamp. Já atuou tanto em ambiente hospitalar quanto em academias e espaços voltados ao bem estar e, como entusiasta das novas tecnologias, busca sempre aplicá-las ao seu ambiente de trabalho. Colaborador do site TIC em Foco, buscará trazer para os leitores o que está acontecendo no setor de TIC, em especial nas verticais saúde, fitness e bem-estar. As contribuições dos colaboradores para o site não necessariamente refletem a opinião dos administradores.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here